Ipatinga, 16 de Agosto de 2022
NOTÍCIAS

Onda de protestos é comparada às Diretas Já e aos caras-pintadas

Convocadas pelas redes sociais, multidões de manifestantes ocuparam nessa segunda-feira as ruas de 11 capitais


Em São Paulo, cerca de 65 mil pessoas se aglomeravam no Largo do Batata, na Zona Oeste da capital, na quinta manifestação em menos de 10 dias

Uma onda gigante de protestos avança pelo país e ontem varreu pelo menos 10 capitais e algumas dezenas de cidades do interior. Nos bastidores políticos e dos próprios movimentos, era inevitável a comparação com os dois maiores movimentos populares ocorridos no país nos últimos 30 anos: o Diretas Já, que em 1983 e 1984 pedia eleições diretas no Brasil, e o dos caras-pintadas, que mobilizou os estudantes no decorrer de 1992 pelo impeachment do então presidente Fernando Collor. Desta vez, porém, os manifestantes, convocados 100% pelas redes sociais, não querem ir às urnas nem derrubar a presidente Dilma Rousseff. O estopim do momento são os reajustes da passagem de ônibus e os gastos excessivos com a Copa do Mundo e a Olimpíada.

Em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Fortaleza, Vitória, Belém, Porto Alegre, Curitiba e Maceió uma multidão ocupou as ruas. Na capital federal, o protesto culminou com a invasão do Congresso Nacional, símbolo maior da política do país. No Palácio da Alvorada, a presidente Dilma acompanhou o movimento e a atuação da polícia nas cidades. Segundo a ministra da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Helena Chagas, Dilma considera “legítimas e próprias da democracia” as manifestações em várias cidades do país. “E que é próprio dos jovens se manifestarem.”

Apesar das negociações entre manifestantes, polícia e governos, na tentativa de evitar atos violentos como os ocorridos semana passada na capital paulista – que repercutiram negativamente pelo mundo –, a promessa de protesto pacífico não vingou e os confrontos voltaram à cena em alguns momentos e o clima de tensão imperou no Rio, Brasília e Belo Horizonte.

Durante todo o dia, políticos, como ex-presidentes, ministros e parlamentares, a exemplo dos jovens manifestantes, usaram as redes sociais para opinar sobre os protestos. “Ninguém em sã consciência pode ser contra manifestações da sociedade civil porque a democracia não é um pacto de silêncio, mas sim a sociedade em movimentação em busca de novas conquistas”, disse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Mais cedo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) usou seu perfil no Facebook para falar pela primeira vez sobre o movimento: “Os governantes e as lideranças do país precisam atuar entendendo o porquê desses acontecimentos nas ruas. Desqualificá-los como ação de baderneiros é grave erro. Dizer que são violentos nada resolve”. Ao lado da mensagem, o ex-presidente postou uma foto do Diretas Já, na Praça da Sé, em São Paulo, em 1984. Pelo Twitter, o especialista em marketing político Gaudênio Torquato afirmou que a multidão lembra os caras-pintadas na época de Collor. “Momentos históricos”, postou.

Em São Paulo, a Defensoria Pública entrou com uma ação judicial contra a figura da “prisão para averiguação”, muito usada na época da ditadura e adotada por delegados na quinta-feira passada para prender cerca de 150 manifestantes. Esse tipo de prisão, segundo os defensores, é considerado ilegal, extinto pela Constituição de 1988. Líderes do movimento chegaram a publicar no fim se semana nas redes sociais um manual de comportamento. Com orientações jurídicas, o texto ensina, entre outras coisas, as “cinco maneiras de ajudar sem sair de casa” e as “15 dicas para quem vai às ruas protestar”. O perfil “Occupy São Paulo”, autor do manual, pede, no entanto, um protesto pacífico: “Lute, mas não recorra à violência”.


 

Copyright © 2012 Todos os Direitos Reservado - www.euamoipatinga.com.br
Eu Amo Ipatinga - E-mall : contato@euamoipatinga.com.br